Código de ética do governo de Goiás serve de modelo para Santa Catarina

O código de ética do Estado de Goiás foi tema de uma videoconferência realizada nesta quarta-feira (19/10) entre servidores da Controladoria-Geral dos estados de Goiás e de Santa Catarina. O governo de Santa Catarina elabora uma nova regulamentação sobre ética e o Código de Ética e Conduta Profissional do Servidor e da Alta Administração do Poder Executivo do Estado de Goiás, decretado pelo governador Ronaldo Caiado em abril de 2021, tem se destacado nacionalmente por ter sido construído a partir de uma consulta pública realizada com a sociedade goiana.

Servidoras da Controladoria-Geral de Santa Catarina, Victória Costa e Camila Bergenthal ouviram as explicações dos servidores da CGE-GO diretamente envolvidos na elaboração do documento. O subcontrolador de Governo Aberto e Participação Cidadã da CGE-GO, Diego Ramalho, fez a mediação do encontro. Camila Bergenthal explicou que o Código de Ética de Santa Catarina está na fase de elaboração da minuta e consulta pública e que Goiás inovou ao desenvolver o documento. Segundo ela, o Estatuto do Servidor de Santa Catarina é bem antigo, data de 1956.

Diego Ramalho lembrou que a ideia do novo código nasceu durante uma conferência do especialista em ética e professor Clóvis de Barros Filho. Foi ele que, em 2019, fez a provocação inicial para que Goiás avaliasse produzir um código de ética moderno, que levasse em conta a opinião popular. “O código abandonou uma visão de proibição e desconfiança e passou a apostar em valores desejados e na promoção da confiança como fundamento das relações de trabalho entre servidores e demais cidadãos”, explicou.

Vania Cristina Gonçalves, da Gerência de Auditoria e Monitoramento da CGE-GO, falou de um dos diferenciais que foi a consulta pública realizada pela internet em que o cidadão goiano pôde opinar sobre o que espera do servidor público. Essa pesquisa resultou na reunião de 102 qualidades desejadas e 74 qualidades indesejadas, além de 50 comportamentos esperados e outros 65 comportamentos a serem evitados. Entre as qualidades do servidor estadual que a população mais deseja estão honestidade/integridade, respeito, cordialidade, responsabilidade, agilidade, boa vontade, transparência, competência, compromisso e empatia.

O superintendente de Correição Administrativa da CGE-GO, Bruno Mendes, deu detalhes de como passou a ser feita a disseminação do conceito de ética entre os servidores dos órgãos estaduais. Entre as ações desenvolvidas estão cursos presenciais e por EAD sobre ética e a aplicação do questionário de internalização da ética, respondido anualmente pelos servidores goianos.

 

Controladoria-Geral do Estado (CGE) – Governo de Goiás